30/12/2012

Por um real ano novo




Disse um filósofo que a primeira bomba atômica foi lançada sobre a Terra quando a esperança de uma vida boa, próspera, de convivência pacifica e justa foi lançada ao céu, a um lugar que não este em que vivemos.

Quando a prosperidade deixou de habitar o planeta e passou a ser vista como algo divino, algo a ser alcançado numa "vida" além-vida, passamos a deixar de lado nossa realidade para crer num paraíso lúdico, perfeito e divino. O “agora” se resumiu em penitência e servidão.

Espero que em 2013 (e nos anos posteriores) as pessoas entendam que podemos e somos capazes de construir algo melhor, que podemos viver bem o "agora", com dignidade, sem esperar pelo futuro e, muito menos, um paraíso divino, distante.

Temos que construir uma sociedade justa, agora.

Todo paraíso é platônico.


Pegaram Jesus pra cristo!

29/12/2012

Coleção Folha Legendas Tocas


Vou lançar a Coleção Folha Legendas Tocas!

Geralmente as fotos publicadas nos jornais são acompanhadas de uma legenda. Essa legenda geralmente faz alguma observação sobre a foto ou é contida de alguma ironia, filosofia, algo que provoque o leitor a pensar sobre a imagem. 

A legenda é boa quando a imagem retrata algo, a legenda diz outro algo e os dois criam uma terceira impressão sobre o assunto proposta na matéria.

Tenho como página inicial do meu Browser o site da Folha.com, pelo qual tento me manter informado das "notícias" sobre os mais variados assuntos. 

A Folha anda pisando na bola quando o assunto é legenda. Ela simplesmente descreve a foto, coisa que é desnecessário, já que a imagem retrata a situação.

Acredito que elas sejam escritas por estagiários ou jovens jornalistas, que mais fumaram unzinho e beberam na faculdade do que se preocuparam em estudar comunicação. Um jornalista experiente não escreveria essas besteiras (acho).

Abaixo tem alguns exemplos:


Poderia ter escrito: Calor intenso no litoral paulista.
Veja a previsão do tempo.
Essa é bizarra! Essa postei no Twitter e 5 mim depois trocaram a legenda.
Veja abaixo:
Melhorou muito! O estagiário foi rápido.
Essa é esquisita: o que interessa é o vandalismo ou o cara fumando? 
Quem é mais óbvio: a legenda ou o meteorologista francês? 
É meio óbvio que a lentidão no trânsito foi causada pelo excesso de
veículos. Que tal assim: Tantos milhões de veículos descem ao litoral
paulista. Veja as condições das estradas. 
Mulher celebra o ano novo... só ela que celebrou.
Veja bem, "danificados" acredito que não seja a palavra ideal... Os edifícios
foram DESTRUÍDOS! Isso sim.
Ah, é uma televisão, ainda bem que avisou, senão eu nem ia desconfiar.



Conforme a Folha for falhando, aumento minha coleção!


A notícia é o homem observando o foguete. O lançamento mesmo não
tem importância alguma. Essa é do dia 30/01/2013
Jogadores disputam bola no clássico... fala sério, a pessoa que escreveu
isso espera que os jogadores de futebol disputem o que? 
Essa é tipo pegadinha: onde está a mulher? Sim, é aquela de burca, mas
como saber se ela está olhando, entrando ou sei lá o que? 


05/12/2012

25 de Março e São Dimas



Uma cena hoje me chamou a atenção: estava eu subindo a rua em que trabalho, voltando do almoço, e passaram correndo por mim alguns camelôs, fugindo do rapa. Normal para a região, bairro da Luz, arredores da 25 de Março.

Não, não é uma Micareta.
É o dia a dia na 25.
Eram três ambulantes: o primeiro com um tabuleiro de morangos, os outros com tabuleiros de frutas. Pedaços de melancia e abacaxi fresquinhos. Caminhei mais um pouco e vi outro, que foi pego e teve sua mercadoria apreendida. Vendia coco. Num dia de calor paulistano, uma aguinha de coco é muito bem vinda.

Todo mundo, e por que não dizer todo “o mundo”, sabe que a região da 25 de Março é o paraíso das compras. Muita mercadoria barata e de todo o tipo. E todo mundo sabe que toda aquela oferta é barata porque é contrabandeada, e muita coisa é falsificada. Tudo ilegal, sem carga tributária, sem direitos autorais, sem direitos de marca, sem direito nenhum. E por que não dizer que esse é o “sonho neoliberal”, já que não existe a intervenção do Estado naquela zona e ninguém precisa justificar nada a ninguém? Aliás, existe sim a presença do Estado: apreendendo mercadorias de camelôs que ficam espalhados pelas calçadas.

Lego falsificado
Apesar da prisão do “empresário” Law Kin Chong, dono da lendária Galeria Pagé, a ilegalidade continua e aumenta cada vez mais. A quantidade de estrangeiros naquele comercio, a maioria de chineses, também é impressionante. Um colega meu de trabalho viu um anúncio curioso por lá: “Precisa-se de Bolivianos”, dizia uma placa; ou seja: precisa-se de gente que trabalhe muito, não fale nada e que aceite ganhar esmola. Coisas de potência econômica emergente: se não tem IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), então que tenha mão-de-obra semiescrava, para valer alguma coisa.

Voltando a cena que vi, se você parar para analisar, os camelôs que fugiram do rapa (os agentes do Estado), e tiveram seus tabuleiros apreendidos, eram brasileiros vendendo frutas, produtos verdadeiramente naturais que, obviamente, não eram falsificados; ou será que é possível falsificar um coco? Eles também não pagam nenhum tipo de imposto, mas suas ofertas mirradas não atrapalham em nada o comercio local (que em sua maioria é ilegal). O que justifica apreenderem as frutas que os camelôs vendiam enquanto todo o resto daquela ilegalidade acontecia sem nenhum problema, como se fosse a coisa mais natural do mundo? A única resposta que tenho é que muita gente GRANDE ganha MUITO dinheiro com isso.

Fruta original? Não, isso não pode!
Brasileiro vender frutas na rua deveria ser a atividade mais natural do mundo, mas não, na região central, ser estrangeiro e vender contrabando é que é corriqueiro, comum.

Ver brasileiros tendo suas mercadorias presas enquanto estrangeiros vendem produtos ilegais numa boa, de certa forma protegidos pelo Estado, é para ficar indignado. Não sou xenófobo, não tenho nada contra estrangeiro algum, mas também não acredito num mundinho Imagine, do John Lennon.

O curioso é que 25 de março é dia de São Dimas, conhecido na tradição católica como o “bom ladrão”, um criminoso que se arrependeu de seus feitos maus e que passou a converter outros contraventores.

Para converter a 25 de Março, com certeza, São Dimas precisará de um batalhão de santos para conseguir (se é que é possível convertê-los).



A ilegalidade propagada via internet: